Relato de parto: Mayalu e Iris


Hoje faz exatamente um mês que pari minha segunda filhota. Ela veio com a Primavera, na madrugada do dia 23 de setembro de 2016. Penso que esse relato deve iniciar do começo, ou seja, do momento em que decidi procurar uma médica humanizada para me acompanhar nesse momento tão especial. Digo mesmo médica, pois, sem querer desmerecer os ótimos obstetras que existem, pra mim, parir é coisa de mulher, do feminino, então, nunca pensei em parir com um médico. Minha primeira filha nasceu também de parto natural, de cócoras e foi uma experiência muito importante, tanto que me fez querer que a segunda vez fosse ainda melhor, com uma equipe realmente humanizada, que me deixasse parir tranquila e que, caso fosse necessário, soubesse intervir, no caso de haver alguma intercorrência.

Acabei encontrando a Dra. Luciana Lopes através de dois grupos do Facebook: Cesárea não, obrigada e o Saaanta Mãe. Desde o início gostei do seu jeito atencioso, despojado e competente. Ao longo do pré-natal fui conhecendo uma médica que se tornou amiga, acolheu minhas dúvidas e medos e me contou vários relatos de partos onde sua intuição foi um ponto super importante para o desenrolar dos acontecimentos. Assim, ela me ganhou, pois além de extremamente técnica, o lado espiritual pra mim conta muito, ainda mais nesse mistério que é o nascimento.

Cinco dias antes do parto a Dra. Lu me mandou uma mensagem de manhã para saber se estava tudo bem. Fiquei até preocupada, pois com a intuição que ela tem pensei: vai ser hoje! Acabou não sendo, mas algumas horas depois comecei a perder o tampão! Ao longo do dia continuei perdendo aos poucos, com algumas contrações de treinamento. A Dra. Lu estava na Perinatal e então fui lá para ela me examinar. Já estava com o colo afinando e com 4 de dilatação, porém, sem contrações importantes. Voltei pra casa e finalmente fui arrumar a mala da maternidade. Passei a semana bem, sentindo a bebê empurrar bastante pra baixo, e com algumas contrações de treinamento.