Relato de parto: Ray e Dom


Meu relato de parto, coisa engraçada… Já li tantos relatos de parto, pesquisei tanto, li e reli todos os que no fim não foram como a gestante planejou. Meu relato de parto começa no fim do meu primeiro parto.

Com 17 anos, me vi sozinha em uma sala de parto, aberta e completamente perdida, tinha acabado de ter minha sereia, Nina nasceu lindíssima, com 3,190 e 47 cm. Nasceu bem, de parto cesariana e foi ser pesada, medida, aspirada, examinada com o papai e tudo mais que podia ser feito e pra mim eles precisavam fazer tudo com muita pressa (não questionei nada), ela não passou nem um segundo comigo, tirou umas 2 fotos e não cheirei, não beijei, não amamentei. Nada, nada mesmo. Horas depois ela chegou no quarto, limpíssima e com muita fome, mas uma vez por falta de conhecimento de verdade deixei que ela ficasse a noite no berçário e lá foi amamentada e acalentada pelas enfermeiras…

O tempo passou e os anos foram passando e não consegui dar nome ao sentimento que tive naquele breve momento na sala de cirurgia, é breve mesmo, quase uma máquina de tirar bebês, entra na sala, deita de lado, toma a anestesia e pronto, foi como se eu nem estivesse ali, nem era comigo, várias conversas rolando mas nenhuma comigo. Sempre que alguém vinha falar sobre parto defendia minha escolha, se posso dizer que foi isso, já que não tive escolha, não fui apresentada aos pós e contras da cesárea e normal, dizia que tinha sido ótimo, fui com meu namorado (hoje marido e pai dos meus filhos) e toda família para uma maternidade linda e de luxo com hora marcada, cabelos e unhas prontos, tudo marcado desde o início da gravidez.